Níveis de vitamina D e lesão cerebral traumática

Um novo  ensaio randomizado controlado do Irã sugere que a vitamina D pode ter um papeImageml importante no tratamento da lesão cerebral traumática.

O estudo, liderado pelo professor Bahram Aminmansour e colegas da Isfahan University of Medical Sciences, investigou se a vitamina D em conjunto com a progesterona pode melhorar as taxas de recuperação em pacientes com lesão cerebral traumática.

Atualmente, os médicos têm poucos medicamentos que são efetivamente neuro-protetoras após uma lesão cerebral traumática. A progesterona tem sido identificado como eficaz e segura, protegendo a barreira sangue-cérebro, e ajudando a prevenir o edema cerebral, a resposta inflamatória excessiva, e a necrose. Ela também ajuda a estimular a formação de mielina, reduz os radicais livres, e ajuda a evitar a perda neuronal.

Estudos recentes têm sugerido que a deficiência de vitamina D pode piorar a lesão cerebral traumática e reduzir os efeitos do tratamento em curso. Como a progesterona, a vitamina D ativa é um neuroesteroide e provou ajudar a recuperação eficaz em modelos animais, talvez por mecanismos semelhantes a da progesterona, que também é um hormônio esteróide.

Os pesquisadores incluíram pacientes internados por traumatismo crânio-encefálico, tratando-os em menos de 8 horas de internação. Eles dividiram aleatoriamente 60 pacientes em três grupos, com 20 pacientes em cada um dos grupos seguintes:

Progesterona . Estes pacientes foram injetados com 1 mg/kg de progesterona por via intramuscular a cada 12 horas durante 5 dias.

Progesterona + vitamina D . Estes pacientes foram injetados com 1 mg/kg de progesterona por via intramuscular a cada 12 horas durante 5 dias e também 200 UI/kg de vitamina D uma vez por dia, durante 5 dias. Para uma pessoa de 150 lb,  seriam 13.600 UI de vitamina D/dia, durante cinco dias.

Placebo . Estes 20 pacientes foram injetados intramuscularmente com placebo.

Os pesquisadores usaram a escala de coma de Glasgow para avaliar pacientes,  que é uma escala de 15 pontos que monitora a gravidade do coma através dos olhos, respostas verbais e motoras, quanto maior a pontuação, melhor a consciência. Antes do tratamento, os três grupos tinham pontuações perto de 6.

Três meses após a intervenção, os pacientes do grupo progesterona + vitamina D tiveram a mais alta classificação de escala média de 11,27, seguido pela progesterona isolada com 10,25 e depois o placebo com 9,16 (p = 0,001).

Além disso, após 3 meses, 35% dos pacientes no grupo da progesterona + vitamina D tiveram “boa recuperação”, tal como avaliada pela escala de resultados de Glasgow, enquanto apenas 25% teve esta avaliação no grupo de progesterona e apenas 15% no grupo placebo (p = 0,03). Dez por cento do grupo progesterona + vitamina grupo D falaceu, em comparação com 20% do grupo de progesterona e de 40% no grupo placebo (p = 0,03).

Os autores notaram que a o grupo progesterona + vitamina D apresentou os resultados mais favoráveis ​​provavelmente por causa de uma variedade de mecanismos complementares, incluindo papel benéfico da vitamina D no sistema imunitário, a sua ação anti-inflamatória e redução de citocinas TH1. Além disso, a vitamina D previne a hipercalcemia  intracelular (não promove).

Os pesquisadores concluem:

“O uso de progesterona combinada com a vitamina D é sensato, no que a vitamina D em combinação com progesterona melhora os mecanismos de reparação do sistema nervoso central considerando seus caminhos comuns e também compensa outros mecanismos, que não são realizados pela progesterona. Isso reduz a… possível falha de um único tratamento. “

Tradução Vitamina D – Brasil

Fonte: Vitamin D Council

Anúncios

6 comentários sobre “Níveis de vitamina D e lesão cerebral traumática

  1. Pingback: Novo estudo: O papel da vitamina D na saúde e nas doenças do sistema nervoso | Vitamina D – Brasil

  2. Pingback: A vitamina D como um neuroesteróide afetando o desenvolvimento e o cérebro adulto | Vitamina D – Brasil

  3. Pingback: Vitamina D para melhor desempenho físico e cognitivo em soldados | Vitamina D – Brasil

  4. Pingback: A reparação da medula espinhal com vitamina D: uma estratégia promissora | Vitamina D – Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s