Menores níveis sanguíneos de vitamina D associados à taxas mais elevadas de morte prematura

Pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia, em San imagesDiego, descobriram que pessoas com níveis sanguíneos mais baixos de vitamina D tiveram duas vezes mais chances de morte prematura que as pessoas com níveis mais altos de vitamina D.

A descoberta, publicada em 12 de junho no American Journal of Public Health, foi baseada em uma revisão sistemática de 32 estudos anteriores que incluíam análises de vitamina D, os níveis sanguíneos e as taxas de mortalidade humana. A variante específica da vitamina D avaliada foi a 25-hidroxivitamina D, a forma primária encontrada no sangue.

“Três anos atrás, o Institute of Medicine (IOM) concluiu que ter níveis sanguíneos muito baixos de vitamina D seria perigoso”, disse Cedric Garland, DrPH, professor do Departamento de Medicina Preventiva e da Família na Universidade de  San Diego e autor do estudo. “Este estudo corrobora esta conclusão, mas vai um passo além. Os 20 nanogramas por mililitro (ng/ml) de corte do nível sanguíneo assumido a partir do relatório do IOM foram baseados unicamente na associação de baixos níveis de vitamina D com o risco de doenças ósseas. Esta nova descoberta baseia-se na associação de baixos níveis de vitamina D com risco de morte prematura por todas as causas e não apenas por doenças ósseas.”

Garland disse que a o valor de níveis sanguíneos de vitamina D associado a cerca da metade da taxa de mortalidade foi de 30 ng/ml. Ele observou que dois terços da população dos EUA tem um nível sanguíneo estimado de vitamina D abaixo dos 30 ng/ml.

“Este estudo deve dar a comunidade médica e ao publico substancial confiança de que a vitamina D é segura quando usada em doses adequadas de até 4.000 Unidades Internacionais (UI) por dia”, disse Heather Hofflich, DO, professor no Departamento de Medicina da Universidade de San Diego.

“No entanto, é sempre aconselhável consultar o seu médico quando se muda a sua ingestão de vitamina D e de ter o seu nível sanguíneo de 25-hidroxivitamina D verificado anualmente. A ingestão diária acima de 4.000 UI por dia pode ser apropriada para alguns pacientes sob supervisão médica.”

A idade média quando o sangue foi tirado neste estudo foi de 55 anos; a duração média de acompanhamento foi de nove anos. O estudo incluiu os residentes de 14 países, incluindo os Estados Unidos e dados de 566.583 participantes.

# # #

Os co-autores incluem June Kim, Sharif B. Mohr, Edward D. Gorham e Kenneth Zeng, Departamento de Medicina Preventiva e Família da UCSD; Joe Ramsdell, Departamento de Medicina da UCSD; William B. Grant, Sunlight and Nutrition Research Center; Edward L. Giovannucci, Harvard School of Public Health; Leo Baggerly, GrassrootsHealth; e Robert P. Heaney, da Escola de Medicina da Universidade de Creighton.

Este estudo foi financiado pelo Departamento de Medicina Preventiva e da Família da Universidade de San Diego.

Referências

Meta-analysis of All-Cause Mortality According to Serum 25-Hydroxyvitamin D. Jun 2014.

Tradução Vitamina D – Brasil

Fonte Eurekalert.org

** Se você gostou deste post, por favor considere “curtir” a página Vitamina D – Brasil no Facebook.

Leia também:

Anúncios

Um comentário sobre “Menores níveis sanguíneos de vitamina D associados à taxas mais elevadas de morte prematura

  1. Mais um trabalho evidenciando os benefícios deste hormônio…..mas é de se lamentar que a comunidade científica internacional continue insistindo com dosagens muito baixas de reposição , quando já se sabe que 10.000 UI por dia traz melhores resultados .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s