Deficiência de vitamina D associada à anemia em afro-americanos

Um novo estudo publicado no British Journal of Nutrition constatou que a deficiência de vitamina D aumentou as couple-going-for-a-bicylcle-ride-620x414chances de anemia em afro-americanos.

Mais de três milhões de pessoas nos Estados Unidos têm anemia. A anemia é uma condição em que uma pessoa não tem glóbulos vermelhos suficientes para transportar oxigênio o bastante para seus tecidos. A anemia muitas vezes resulta na pessoa sentir-se cansada e fraca.

As vitaminas e minerais, tais como o ferro, ácido fólico e vitamina B12, têm sido sugeridas como causas de anemia. No entanto, pouco se sabe sobre a relação entre a vitamina D e a anemia.

Dr. John Cannell apresentou dados sobre a capacidade de transporte de oxigênio dos atletas em meados da década de 1950. Os dados mostraram que a capacidade do sangue de transportar oxigênio atinge o ponto máximo no final do verão, propondo que a exposição UVB é possivelmente associada com a contagem de células vermelhas do sangue.

Em um estudo recente, os pesquisadores analisaram dados de adultos, geralmente saudáveis, em Atlanta, Georgia. Compararam a incidência de anemia naqueles que foram considerados deficientes em vitamina D (níveis inferiores a 20 ng/ml), com aqueles que foram suficientes em vitamina D (níveis iguais ou superiores a 20 ng/mL). Os pesquisadores descobriram que os participantes deficientes em vitamina D tiveram 2,64 vezes a chance de anemia em comparação com aqueles que foram suficientes.

Os pesquisadores também constataram que houve uma alteração significativa por raça. Afro-americanos que foram considerados deficientes em vitamina D tiveram 6,42 vezes a chance de ter anemia em relação aos afro-americanos  suficientes em vitamina D , quando controlado para possíveis fatores de confusão.

Eles favoreceram a sua análise categorizando-a por subtipos de anemia. Os pesquisadores descobriram que a afro-americanos deficientes em vitamina D tiveram 8,42 vezes a probabilidade de se tornarem anêmicos com inflamação em comparação com os afro-americanos que estavam suficientes em vitamina D.

Referências

Smith E., et al. Vitamin D deficiency is associated with anaemia among African Americans in a US cohort. British Journal of Nutrition, 2015.

Tradução Vitamina D – Brasil

Fonte Vitamin D Council

** Se você gostou deste post, por favor considere “curtir” a página Vitamina D – Brasil no Facebook. Participe também do nosso grupo no Facebook.

Leia também:

Falta de vitamina D e anemia

Pesquisa com mais de 9,4 mil crianças de 2 a 18 anos indica relação entre carência de Foto: Falta de vitamina D e anemia: Pesquisa com mais de 9,4 mil crianças de 2 a 18 anos indica relação entre carência de vitamina D e anemiaUma pesquisa destaca a relação entre carência de vitamina D e anemia em crianças. O trabalho foi apresentado por cientistas do Johns Hopkins Children's Center e de outras instituições na reunião anual das Pediatric Academic Societies dos Estados Unidos, em Denver.A anemia é diagnosticada e acompanhada pela medição nos níveis de hemoglobina no paciente. Para investigar a relação entre hemoglobina e vitamina D, os pesquisadores analisaram dados de amostras de sangue de mais de 9,4 mil crianças de 2 a 18 anos.Segundo o estudo de Meredith Atkinson e colegas, quanto menores os níveis de vitamina D, mais baixos os de hemoglobina e mais elevado é o risco de anemia. Crianças com níveis de vitamina inferiores a 20 nanogramas por mililitro (ng/ml) de sangue apresentaram risco 50% maior de contrair anemia do que as com níveis mais elevados.Para cada 1 ng/ml a mais da vitamina, o risco de anemia caiu 3%. O estudo indicou que apenas 1% das crianças brancas avaliadas tinha anemia, contra 9% das negras. Essas últimas apresentaram, em média, níveis inferiores (18 ng/ml) da vitamina do que as primeiras (27 ng/ml).Estudos anteriores já haviam destacado que a anemia é mais comum em crianças negras, mas os motivos para a diferença permanecem desconhecidos. O novo estudo indica que, além de fatores biológicos e genéticos, o nível de vitamina D deve ser levado em conta na manifestação da anemia.Os pesquisadores ressaltam que, embora os resultados do estudo apontem uma clara relação entre níveis da vitamina e anemia, eles não devem ser usados para estabelecer uma condição de causa e efeito. Isto é, não são conclusivos de que a deficiência causa anemia.Fonte: Agência FAPESPvitamina D e anemia

Uma pesquisa destaca a relação entre carência de vitamina D e anemia em crianças. O trabalho foi apresentado por cientistas do Johns Hopkins Children’s Center e de outras instituições na reunião anual das Pediatric Academic Societies dos Estados Unidos, em Denver.

A anemia é diagnosticada e acompanhada pela medição nos níveis de hemoglobina no paciente. Para investigar a relação entre hemoglobina e vitamina D, os pesquisadores analisaram dados de amostras de sangue de mais de 9,4 mil crianças de 2 a 18 anos.

Segundo o estudo de Meredith Atkinson e colegas, quanto menores os níveis de vitamina D, mais baixos os de hemoglobina e mais elevado é o risco de anemia. Crianças com níveis de vitamina inferiores a 20 nanogramas por mililitro (ng/ml) de sangue apresentaram risco 50% maior de contrair anemia do que as com níveis mais elevados.

Para cada 1 ng/ml a mais da vitamina, o risco de anemia caiu 3%. O estudo indicou que apenas 1% das crianças brancas avaliadas tinha anemia, contra 9% das negras. Essas últimas apresentaram, em média, níveis inferiores (18 ng/ml) da vitamina do que as primeiras (27 ng/ml).

Estudos anteriores já haviam destacado que a anemia é mais comum em crianças negras, mas os motivos para a diferença permanecem desconhecidos. O novo estudo indica que, além de fatores biológicos e genéticos, o nível de vitamina D deve ser levado em conta na manifestação da anemia.

Os pesquisadores ressaltam que, embora os resultados do estudo apontem uma clara relação entre níveis da vitamina e anemia, eles não devem ser usados para estabelecer uma condição de causa e efeito. Isto é, não são conclusivos de que a deficiência causa anemia.

Fonte: Agência FAPESP