Vitamina D para melhor desempenho físico e cognitivo em soldados

A deficiência de vitamina D inicia uma perda de eficácia no combate ao alterar 4200375540o funcionamento físico e cognitivo dos operadores de combate. Sintetizada em resposta à luz solar e consumida na dieta, as funções da vitamina D, tal como um hormônio, regulam a expressão de cerca de 300 genes em todo o corpo humano. Estes genes alvo estão envolvidos em processos essenciais para operações de combate, tais como a função imunológica, resposta ao estresse, inflamação e regulação da circulação do cálcio.

Uma vez que a deficiência generalizada de vitamina D é observada em toda a população, um mau status de vitamina D é esperado em militares. Um estudo recém publicado no Journal of Special Operations Medicine (JSOM) avalia a relevância clínica de se otimizar os níveis séricos de vitamina D em soldados.

Segundo os autores as condições físicas associadas à deficiência de vitamina D incluem o risco aumentado de lesões musculares ou ósseas, fraqueza muscular e redução da função neuromuscular. Hormonalmente, os níveis de vitamina D têm sido positivamente correlacionados com os níveis de testosterona. A deficiência de vitamina D também está associada com declínio cognitivo, com a depressão e pode prolongar a recuperação após uma lesão cerebral traumática leve (mTBI) . “Em razão da deficiência de vitamina D elevar a inflamação sistêmica, um mau status de vitamina D no momento de uma lesão cerebral pode prolongar a resposta inflamatória e exacerbar os sintomas pós-concussão”.

Através de sua associação com a produção da testosterona, a deficiência de vitamina D pode aumentar o risco para o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), uma vez que os níveis de testosterona são alterados em veteranos com TEPT. Portanto, o status da vitamina D tem um impacto significativo sobre saúde e desempenho do operador.

“Suplementar vitamina D para operadores deficientes fornece uma intervenção não invasiva e de baixo custo para a manutenção da força de combate”, concluíram os pesquisadores.

Fonte

Clinical relevance of optimizing vitamin d status in soldiers to enhance physical and cognitive performance. 2014.

** Se você gostou deste post, por favor considere “curtir” a página Vitamina D – Brasil no Facebook.

Leia também:

Anúncios

Estudo da Universidade de Newcastle associa vitamina D e energia

Pesquisadores no Nordeste dizem vitamina D é essencial para aumentar os níveis de umbrella-vitamin-denergia e fazendo os músculos trabalham de forma eficaz.

Uma equipe da Universidade de Newcastle constatou que a função muscular é melhorada com suplementos de vitamina D, que se acredita  aumentarem a atividade das mitocôndrias, as baterias das células do corpo.

Um hormônio normalmente produzido na pele usando energia da luz solar, a vitamina D também pode ser encontrada em alimentos como peixe, óleos de fígado de peixe, gema de ovo e cereais enriquecidos. Ela também pode ser efetivamente potencializada com suplementos.

O estudo sobre os benefícios da vitamina foi conduzido pelo Dr. Akash Sinha, que também trabalha no Newcastle hospitais NHS Foundation Trust. Ele disse: “Nós provamos pela primeira vez uma ligação entre a vitamina D e função mitocondrial.”

“Dos pacientes que eu vejo, cerca de 60% são deficientes em vitamina D e a maioria das pessoas que vivem ao norte de Manchester terão dificuldades para processar quantidades suficientes de vitamina D somente da luz solar, especialmente durante o inverno e na primavera. Assim, um simples comprimido de vitamina D pode ajudar a aumentar seus níveis de energia – do interior das células “.

A vitamina D é obtida a partir da luz solar sobre a pele. Ela tem várias funções importantes, uma vez que é necessária para absorver o cálcio e formar ossos saudáveis.

Estima-se que cerca de 60% das pessoas no Reino Unido estejam deficientes em vitamina D, com as crianças menores de cinco anos, as pessoas com pele escura e os idosos estando particularmente em risco.

A deficiência de vitamina D provoca raquitismo em crianças e osteomalácia – amolecimento dos ossos – em adultos. Níveis mais baixos no sangue também são um fator de risco para a osteoporose, função muscular prejudicada e um aumento do risco de quedas e fraturas.

O estudo de Tyneside utilizou ressonância magnética para medir a resposta ao exercício em 12 pacientes com deficiência grave, antes e após o tratamento com vitamina D.

Todos os pacientes relataram uma melhora nos sintomas de fadiga depois de terem tomado os suplementos. Em um estudo paralelo, o grupo demonstrou que os baixos níveis de vitamina D foram associados com a redução da função mitocondrial.

Dr. Sinha disse: “Examinando esse pequeno grupo de pacientes com deficiência de vitamina D, que experimentaram sintomas de fadiga muscular, descobrimos que aqueles com níveis muito baixos de vitamina D melhoraram significativamente sua eficiência muscular quando os seus níveis de vitamina D foram melhorados.”

Juntamente com má saúde óssea, fadiga muscular é um sintoma comum em pacientes com deficiência de vitamina D.

Referências

“Improving the Vitamin D Status of Vitamin D Deficient Adults Is Associated With Improved Mitochondrial Oxidative Function in Skeletal Muscle”. Autores: Akash Sinha,    Kieren G. Hollingsworth, Steve Ball e Tim Cheetham.

Tradução Vitamina D – Brasil

Fonte JournalLive

Leia também: