Suplementos de vitamina D reduzem a dor em pacientes com fibromialgia

Pacientes com síndrome da fibromialgia (SFM) normalmente têm dor crônica Young Woman Holding Her Neck in Paingeneralizada e fadiga. Para aqueles com níveis baixos de vitamina D, suplementos de vitamina D podem reduzir a dor e podem ser uma alternativa de baixo custo ou um complemento a outros tratamentos, dizem os pesquisadores na edição atual da Pain.

Além de e fadiga, indivíduos com diagnóstico de fibromialgia podem apresentar distúrbios do sono, rigidez matinal, dificuldade de concentração e, ocasionalmente, sintomas mentais leves a graves, tais como ansiedade ou depressão. A condição pode ter um impacto significativo na qualidade de vida do paciente, resultando em perda de emprego e/ou retirada da vida social. Não há cura e nenhum tratamento irá abordar todos os sintomas, mas alguns sintomas podem ser aliviados por fisioterapia, terapia cognitivo-comportamental, terapia medicamentosa temporária (como amitriptilina, duloxetina, ou pregabalina) e terapias multimodais.

O calcifediol (também conhecido como calcidiol, 25-hidroxicolecalciferol, ou 25-hidroxivitamina D é um pré-hormônio produzido no fígado pela enzima colecalciferol (vitamina D3). O calcifediol é então convertido para o calcitriol (1,25-(OH)2D3), que é a forma ativa da vitamina D. A concentração sanguínea de calcifediol é considerado o melhor indicador de status da vitamina D.

Pesquisadores levantaram a hipótese de que a suplementação de vitamina D poderia reduzir o grau da dor crônica experimentada por pacientes de SFM com baixos níveis de calcifediol e também poderia melhorar outros sintomas. “Baixos níveis sanguíneos de calcifediol são especialmente comuns em pacientes com dores intensas e fibromialgia. Mas, apesar do papel do calcifediol na percepção da dor crônica ser um assunto amplamente discutido, falta-nos uma clara evidência do papel da suplementação de vitamina D em pacientes com fibromialgia, “diz o pesquisador principal Florian Wepner, MD, do Departamento de Gestão de Dores Ortopédicas, Unidade Spine, Orthopaedic Hospital, Speising, Viena, Áustria. “Estamos, portanto, preparados para determinar se o aumento nos níveis de calcifediol nestes pacientes poderia aliviar a dor e causar uma melhora geral nos distúrbios concomitantes.”

Em um ensaio clínico randomizado, 30 mulheres com SFM com baixos níveis séricos de calcifediol (abaixo de 32ng/ml) foram randomizadas para um grupo de tratamento ou de controle. A meta para o grupo de tratamento era para atingir níveis séricos de calcifediol entre 32 e 48ng/ml por 20 semanas através de suplementos orais de colecalciferol. Os níveis séricos de calcifediol foram reavaliados após cinco e treze semanas e a dose foi avaliada com base nos resultados. Os níveis de calcifediol foram medidos novamente 25 semanas após o início da suplementação, no momento em que o tratamento foi descontinuado e após mais 24 semanas sem a suplementação.

Vinte e quatro semanas após a suplementação ser interrompida, uma redução acentuada no nível de dor percebida ocorreu no grupo de tratamento. Entre a primeira e a 25a semana de suplementação, o grupo de tratamento teve uma melhora significativa em uma escala funcional de desempenho físico, enquanto que o grupo placebo permaneceu inalterado. O grupo de tratamento também pontuou melhoras significativas em um Questionário sobre o Impacto da Fibromialgia (QIF) sobre a questão da “fadiga da manhã.” No entanto, não houveram alterações significativas na depressão ou nos sintomas de ansiedade.

“Acreditamos que os dados apresentados no presente estudo sejam promissores. A SFM é muito ampla de sintomas complexos que não podem ser explicados apenas pela deficiência de vitamina D. No entanto, a suplementação de vitamina D pode ser considerada como um tratamento relativamente seguro para pacientes de SFM e uma alternativa extremamente econômica ou um complemento aos tratamentos farmacológicos dispendiosos, assim como às terapias físicas, comportamentais e multimodais “, diz Wepner. “Os níveis de vitamina D devem ser monitorados regularmente em pacientes com SFM, especialmente na temporada de inverno, e aumentados de forma adequada.”

Referências

“Effects of vitamin D on patients with fibromyalgia syndrome: A randomized placebo-controlled trial”. Fev 2014.

Tradução Vitamina D – Brasil

Fonte MedicalXpress

** Se você gostou deste post, por favor considere “curtir” a página Vitamina D – Brasil no Facebook. Participe também do nosso grupo no Facebook.

Leia também:

Anúncios

Estudo da Universidade de Newcastle associa vitamina D e energia

Pesquisadores no Nordeste dizem vitamina D é essencial para aumentar os níveis de umbrella-vitamin-denergia e fazendo os músculos trabalham de forma eficaz.

Uma equipe da Universidade de Newcastle constatou que a função muscular é melhorada com suplementos de vitamina D, que se acredita  aumentarem a atividade das mitocôndrias, as baterias das células do corpo.

Um hormônio normalmente produzido na pele usando energia da luz solar, a vitamina D também pode ser encontrada em alimentos como peixe, óleos de fígado de peixe, gema de ovo e cereais enriquecidos. Ela também pode ser efetivamente potencializada com suplementos.

O estudo sobre os benefícios da vitamina foi conduzido pelo Dr. Akash Sinha, que também trabalha no Newcastle hospitais NHS Foundation Trust. Ele disse: “Nós provamos pela primeira vez uma ligação entre a vitamina D e função mitocondrial.”

“Dos pacientes que eu vejo, cerca de 60% são deficientes em vitamina D e a maioria das pessoas que vivem ao norte de Manchester terão dificuldades para processar quantidades suficientes de vitamina D somente da luz solar, especialmente durante o inverno e na primavera. Assim, um simples comprimido de vitamina D pode ajudar a aumentar seus níveis de energia – do interior das células “.

A vitamina D é obtida a partir da luz solar sobre a pele. Ela tem várias funções importantes, uma vez que é necessária para absorver o cálcio e formar ossos saudáveis.

Estima-se que cerca de 60% das pessoas no Reino Unido estejam deficientes em vitamina D, com as crianças menores de cinco anos, as pessoas com pele escura e os idosos estando particularmente em risco.

A deficiência de vitamina D provoca raquitismo em crianças e osteomalácia – amolecimento dos ossos – em adultos. Níveis mais baixos no sangue também são um fator de risco para a osteoporose, função muscular prejudicada e um aumento do risco de quedas e fraturas.

O estudo de Tyneside utilizou ressonância magnética para medir a resposta ao exercício em 12 pacientes com deficiência grave, antes e após o tratamento com vitamina D.

Todos os pacientes relataram uma melhora nos sintomas de fadiga depois de terem tomado os suplementos. Em um estudo paralelo, o grupo demonstrou que os baixos níveis de vitamina D foram associados com a redução da função mitocondrial.

Dr. Sinha disse: “Examinando esse pequeno grupo de pacientes com deficiência de vitamina D, que experimentaram sintomas de fadiga muscular, descobrimos que aqueles com níveis muito baixos de vitamina D melhoraram significativamente sua eficiência muscular quando os seus níveis de vitamina D foram melhorados.”

Juntamente com má saúde óssea, fadiga muscular é um sintoma comum em pacientes com deficiência de vitamina D.

Referências

“Improving the Vitamin D Status of Vitamin D Deficient Adults Is Associated With Improved Mitochondrial Oxidative Function in Skeletal Muscle”. Autores: Akash Sinha,    Kieren G. Hollingsworth, Steve Ball e Tim Cheetham.

Tradução Vitamina D – Brasil

Fonte JournalLive

Leia também: