O risco de hipercalcemia em negros tomando hidroclorotiazida e vitamina D

A hidroclorotiazida (HCTZ), um medicamento anti-hipertensivo eficaz frequentemente bulaprescrito para negros, reduz a excreção urinária do cálcio. Os negros têm taxas significativamente maiores de hipertensão e menores níveis de vitamina D. Assim, eles são mais propensos a serem expostos a suplementação de vitamina D e a diuréticos tiazídicos. O risco de hipercalcemia entre os negros que usam a vitamina D e a hidroclorotiazida ainda é indefinido. Um estudo recém publicado no American Journal of Medicine avaliou o risco de hipercalcemia em negros tomando hidroclorotiazida e vitamina D.

Os pesquisadores avaliaram a freqüência da hipercalcemia em usuários de HCTZ em uma análise post-hoc de um estudo duplo-cego, randomizado, de determinação de dose em 328 negros (idade média, 51 anos) atribuídos ao placebo ou a 1.000, 2.000 ou 4.000 UI de colecalciferol (vitamina D3) por dia, por 3 meses, durante o inverno. Dos 328 participantes, 84 relataram o uso de hidroclorotiazida e tiveram os níveis séricos de cálcio avaliados. Além disso, um grupo de comparação de 44 participantes inscritos que não estavam tomando hidroclorotiazida tiveram as medidas de cálcio sérico em 3 meses, mas não no início do estudo. Aos 3 meses, os participantes da hidroclorotiazida tiveram níveis mais elevados de cálcio que os participantes não hidroclorotiazida, mas apenas um participante no grupo hidroclorotiazida teve hipercalcemia. Em contrapartida, nenhum dos participantes não hidroclorotiazida teve hipercalcemia. No modelo de regressão linear, ajustada para idade, sexo, 25-hidroxivitamina D, em 3 meses e outras variáveis, somente uso de hidroclorotiazida previu níveis séricos de cálcio em 3 meses.

Os autores concluíram:

“Em resumo, a suplementação de vitamina D3 até 4.000 UI em usuários de hidroclorotiazida está associada a um aumento do cálcio sérico, mas uma baixa freqüência de hipercalcemia. Estes resultados sugerem que os participantes desta população podem usar HCTZ com até 4.000 UI de vitamina D3 por dia e experimentar uma baixa freqüência de hipercalcemia”.

Este e outros estudos demonstram que a hidrocloritiazida interfere com a excreção do cálcio e que as pessoas nesta situação devem ser cuidadosas quando à suplementação com vitamina D, pois estão em maior risco de contrair hipercalcemia. Assim se você está nesta condição, fazendo uso da hidroclorotiazida, não tome doses elevadas de vitamina D. Isso não deve desanimá-lo de tomar a vitamina D, mas sim encorajá-lo a consultar seu médico antes de fazer isso.

Fonte

Risk of Hypercalcemia in Blacks Taking Hydrochlorothiazide and Vitamin D. Fev 2014.

** Se você gostou deste post, por favor considere “curtir” a página Vitamina D – Brasil no Facebook.

Leia também:

Anúncios