Você precisa deste super mineral para prevenir o câncer de cólon e melhorar a saúde cerebral

O declínio da memória e processos mentais normais, bem como aumento do risco de câncer Magnesiumdigestivo estão sempre presentes nas mentes de muitos adultos idosos. A degeneração da saúde cerebral que leva a demência de Alzheimer e uma dieta de vida ruim precipita o aumento do risco de câncer de cólon, ambas condições crônicas que podem ser facilmente prevenidas através da manutenção de estoques adequados de magnésio a nível celular através da suplementação e dieta saudável.

A deficiência de magnésio corre à solta com crianças e adultos de todas as idades, visto que o mineral essencial é de removido muitos alimentos e é grandemente deficiente na maioria das fontes vegetais naturais, devido ao esgotamento dos solos agrícolas. O magnésio é necessário para manter a integridade do material genético, reduzir a inflamação sistêmica e para realizar um conjunto de reações enzimáticas críticas. Décadas de ingestão abaixo do ideal são uma receita para a demência e o câncer. 

Uma equipe de pesquisadores publicou os resultados de um estudo publicado na revista Neuron para explicar como magnésio melhora diretamente a plasticidade sináptica. O principal autor do estudo, Dr. Guosong Liu concluiu que várias regiões do cérebro associadas ao aprendizado e a memória apresentaram melhoras significativas na função sináptica como resultado da suplementação dietética de magnésio. Ele observou “Nossos resultados sugerem que a elevação do teor de magnésio no cérebro através do aumento da ingestão de magnésio pode ser uma nova estratégia útil para aumentar as habilidades cognitivas”.

O magnésio diminui o risco de câncer de cólon, de maneira dose-dependente

Uma evidência adicional para a importância do magnésio na dieta foi publicada no American Journal of Clinical Nutrition . Os pesquisadores revisaram dados do questionário dietético em 768 participantes para determinar a freqüência de consumo de alimentos. Os cientistas também combinaram seis estudos prospectivos para encontrar uma associação significativa entre a ingestão dietética de magnésio e risco de adenomas colorretais. O estudo demonstrou que para cada aumento de 100 mg de magnésio ao dia, o risco de câncer de cólon diminui em 13 por cento.

Os pesquisadores que realizaram o estudo concluíram “Nossos resultados apoiam a hipótese de que uma maior ingestão de magnésio na dieta está associada a um menor risco de tumores colorretais . O consumo de alimentos ricos em magnésio pode ser uma nova via para explorar ainda mais a busca de estratégias de prevenção do câncer. “ Curiosamente, o estudo constatou que, embora a suplementação com magnésio reduza efetivamente o risco de câncer de cólon para todos, a redução ótima do risco foi observada para os participantes que estavam com sobrepeso ou obesos.

O magnésio reduz a inflamação celular que provoca um processo degenerativo lento em indivíduos com sobrepeso. O mineral também ajuda a evitar a degradação prematura do DNA que pode conduzir a mutações genéticas e ao desenvolvimento de tumores. Especialistas em nutrição recomendam a suplementação com 600 a 1.000 mg por dia, de uma forma de magnésio de qualidade, para prevenir a demência de Alzheimer e parar a progressão do câncer de cólon em sua trajetória.

Referências

Tradução Vitamina D – Brasil

Fonte NaturalNews.com

Leia também:

Anúncios

Magnésio potencialmente aumenta a proteção da vitamina D contas doenças cardíacas, câncer e morte

Uma nova pesquisa mostrou que o magnésio é muito importante para o uso adequado da Magnesiumvitamina D em seu corpo, ele pode realmente aumentar a proteção da vitamina D às doenças cardíacas fatais e ao câncer de cólon em cerca de 500 por cento e da morte em geral em mais de 100 por cento . É importante ressaltar que isso também significa que aqueles com baixos níveis de magnésio estão recebendo muito menos benefícios de sua vitamina D do que eles imaginam.

Magnésio – seu corpo não pode usar a vitamina D sem ele

As três principais enzimas responsáveis ​​pela ativação, armazenamento e o transporte da vitamina D em todo o seu corpo são todas dependentes de magnésio. Isso significa que não importa o quanto de vitamina D você tome, seu corpo não poderá usá-la corretamente, se você for deficiente em magnésio. Por outro lado, um consumo elevado de magnésio na verdade parece aumentar os níveis de vitamina D. Um novo grande estudo dos EUA acaba de mostrar que os adultos com a ingestão de magnésio de > 420 mg por dia, foram 66 por cento menos propensos de serem deficientes em vitamina D em comparação com aqueles com ingestões mais baixas. Além disso, aqueles que tomaram ao menos 100 mg por dia de suplementos de magnésio tiveram um risco 70 por cento menor de serem deficientes em vitamina D. Mais importante, se o magnésio pode melhorar o seu nível de vitamina D, ele pode também aumentar os efeitos benéficos da vitamina D? As últimas pesquisas acabam de confirmar que sim.

Magnésio aumenta os benefícios da vitamina D para a sobrevida em mais de 100 por cento

Os pesquisadores observaram mais de 12.000 adultos americanos (parte da coorte do NHANES III) durante um período de 18 anos. Durante esse tempo, aqueles com níveis elevados de vitamina D (> 40 ng/ml) foram 13 por cento menos propensos a morrer por qualquer causa, se eles tivessem baixas ingestões de magnésio (264 mg/dia), mas foram 30 por cento menos propensos à morrer se tivessem altas ingestões de magnésio (> 264 mg/dia). Em outras palavras, uma elevada ingestão de magnésio mais do que duplicou o efeito protetor da vitamina D contra a morte por todas as causas. Esta relação manteve-se verdadeira para todos os níveis de vitamina D acima de 20 ng/ml e foi estatisticamente significativa.

Magnésio aumenta a proteção da vitamina D para doença cardíaca fatal em até 478 por cento

Este efeito foi ainda mais impressionante para morte por doenças cardíacas. Aqueles com alta vitamina D, mas baixo magnésio tinham apenas 9 por cento menos risco de morte por doenças cardíacas . Mas aqueles com alta vitamina D e alta ingestão de magnésio tiveram uma redução do risco de 43 por cento. Isso é um aumento de 478 por cento na eficácia da vitamina D para a prevenção de doenças cardíacas fatais. Mesmo com níveis baixos de vitamina D, o magnésio mais do que duplicou o efeito protetor da vitamina D (241 por cento) e isto foi estatisticamente significativo.

O magnésio pode potencialmente reduzir o risco de câncer de cólon

Magnésio já foi demostrando reduzir fortemente o risco de câncer de pâncreas e câncer de cólon, em estudos anteriores. Esta mais recente pesquisa pode explicar o porque. Apesar de não ser estatisticamente significativa (devido ao tamanho da amostra ser muito pequeno), o maior consumo de magnésio aumentou o efeito protetor da vitamina D para a mortalidade por câncer de cólon em até 480 por cento, mais uma vez nos mais altos níveis de vitamina D.

Quanto de magnésio é necessário para a proteção ideal?

Em conclusão, se você quiser maximizar os benefícios de saúde da vitamina D, você deve ter uma ingestão ideal de magnésio, que, neste novo estudo, é definida como algo entre 264 e 420 mg ao dia. Uma vez que 79 por cento dos americanos são deficientes em magnésio, todos devem considerar aumentar a sua ingestão através da dieta ou de suplementação para a saúde ótima. Para aqueles que preferem o caminho da dieta, uma lista completa de alimentos ricos em magnésio está disponível no último link abaixo.

Referências

Tradução Vitamina D – Brasil

Fonte NaturalNews.com